Maggda Veste, News

MUNDO AFORA | Férias ou História | Hong Kong

15 de outubro de 2014

Férias ou História?

Países em conflitos e com grandes protestos não são lugares tão convidativos para se visitar. Mas o que fazer se tais protestos iniciarem no meio de suas férias? Turismo cultural, literalmente. Tive a oportunidade de presenciar duas grandes manifestações sociais em pouco mais de um ano, São Paulo em 2013 e Hong Kong em 2014.

Com propósitos semelhantes, liberdade e democracia, Hong Kong pode ser usado como exemplo de como é possível unir milhares de pessoas em uma manifestação, sem que haja confusão, destruição de lojas e confrontos sangrentos. Seus movimentos são basicamente formados por estudantes, que com muita organização e disposição mantêm de certa forma um “clima festivo” em seus acampamentos pelas principais avenidas do centro de HK. Assim como no Brasil, praticamente tudo foi organizado e compartilhado pelas redes sociais, fazendo com que a mídia (principalmente a local) não distorcesse os objetivos das reivindicações.

Passarelas e viadutos viraram locais onde inúmeros pedidos de desculpa são deixados em faixas pelos estudantes e em pedaços de papeis é possível deixar uma mensagem de apoio aos protestos. Antes que você possa imaginar que todo esse material vire lixo nas ruas, todo o lixo gerado é separado e corretamente descartado. Caminhando entre manifestantes, barracas e vitrines de algumas das marcas mais valiosas do mundo, percebe-se a cordialidade de todos. Você pode pacificamente escolher se quer ou não utilizar um laço amarelo (símbolo dos protestos), consumir água ou biscoitos em uma das diversas tendas espalhadas pelas ruas ou simplesmente ficar ali: admirando e registrando aquilo que um dia estará em um livro de história.

 

Protestos em HK by Eduardo Rammé-3 Protestos em HK by Eduardo Rammé-1 Protestos em HK by Eduardo Rammé-2

Você pode gostar também