Estilo de Vida, Moda

MODA | É melhor ser interessante do que bonito

16 de janeiro de 2015

O The Guardian publicou, nesta semana, uma matéria falando sobre o novo estilo das campanhas e dos looks que muitas celebridades andam apostando em red carpets e outros eventos.

Trata-se de usar o minimalismo ao seu favor, como uma proposta estética que valorize o conteúdo real e interessante das pessoa, em épocas onde o oversharing de informações é tão grande que até mesmo os momentos de silêncio são hipervalorizados.

Dois exemplos citados na matéria faziam menção ao post que publicamos recentemente, sobre as escolhas da Saint Laurent e Céline em suas campanhas.

10891102_1054151641278576_498018054_n

saint_laurent2-882x600

Aos olhos da editora, Joni Mitchel e Joan Didion são belos exemplos de que, para conquistar o mercado e tornar o público fiel, é preciso ter mais do que um rostinho bonito: é preciso ter história e ser interessante como pessoa.

Joan é escritora, com mais de 19 livros publicados. Joni é uma das cantoras/guitarristas/poetisas mais celebradas de seu tempo. Ambas tem O QUE MOSTRAR.

E note que não estamos falando de rostos perfeitos. Estamos falando de conteúdo.

100_Giovanna_Battaglia_Paris_Fashion_Week_photo_sep_2012

Ann-Demeulemeester-02

Dries-van-noten-designer

grace-coddington

paris-fwss2010-giovanna-battaglia2

Carine Roitfeld, Giovanna Battaglia, Grace Coddington, Dries Van Noten e tantos outros nomes, ligados à moda ou não, são bons expoentes desse perfil, que preza o upgrade do conhecimento, ao invés de estampas, cores e shapes gritantes.

Lembre-se sempre: uma roupa até pode chamar a atenção, mas o que vai prendê-la, é o seu conteúdo, aquilo que você tem a dizer e à oferecer aos outros.

Você pode gostar também