Cultura

O corpo nas artes

3 de outubro de 2015

O Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul lança neste sábado uma exposição coletiva que faz uma reflexão sobre o corpo humano nas artes. A mostra ficará em cartaz até o dia 2 de novembro, no espaço localizado no sexto andar da Casa de Cultura Mario Quintana (Andradas, 736), em Porto Alegre.

Tom_Ferrero_Prisao_da_expressao_foto_performance

Obra de Tom Ferraro

 

Nos trabalhos desta exposição os artistas usaram diferentes suportes e técnicas para criarem os seus trabalhos que vão desde o registro fotográfico de performances, a representação do corpo através da plasticidade e, também, o próprio corpo do artista usado como instrumento para a construção da obra, pois, desde Jackson Pollock (1912-1956) houve uma valorização do movimento e da gestualidade na pintura. Também o artista Hélio Oiticica (1937-1980) considerou o corpo e a motricidade do seu público nas obras, cabe lembrar aqui os Parangolés (pinturas vestíveis).

Obra de Ricardo Giuliani

Obra de Ricardo Giuliani


O corpo representado nestes trabalhos traz reflexões: ora demonstra leveza ou magia; ora suscita pensamentos sobre o sofrimento ou o juízo final; outras vezes aborda questões de gênero; ou transita pelo caos da contemporaneidade, ou ainda revela a sua poesia.
trabalhos que vão desde o registro fotográfico de performances, a representação do corpo através da plasticidade e, também, o próprio corpo do artista usado como instrumento para a construção da obra, pois, desde Jackson Pollock (1912-1956) houve uma valorização do movimento e da gestualidade na pintura. Também o artista Hélio Oiticica (1937-1980) considerou o corpo e a motricidade do seu público nas obras, cabe lembrar aqui os Parangolés (pinturas vestíveis).

Com a participação de 20 artistas, “O Corpo na Arte: Instrumento, Plasticidade e Suporte” integra a programação do segundo semestre do Macrs e explora as diversas formas como o corpo humano é visto na arte: ora demonstra leveza ou magia; ora suscita pensamentos sobre o sofrimento ou o juízo final; outras vezes aborda questões de gênero; ou transita pelo caos da contemporaneidade, ou ainda revela a sua poesia.

 

 

SERVIÇO

Período: De 03 de outubro a 02 de novembro de 2015.
Local: Museu de Arte Contemporânea do RS (Mac/RS) – 6º andar da CCMQ (Andradas, 736)
Visitação: Segundas, das 14h às 19h; de terças a sextas, das 10h às 19h; sábados, domingos e feriados, das 12h às 19h.
Contato: 51 3221 5900 /mac@sedac.rs.gov.br
Entrada franca.

 

Você pode gostar também