Moda

MODA | Take or DON’T TAKE? As modinhas do inverno 2017

14 de março de 2017

A cada ano as modinhas surgem, se disseminam e acabam mais rápido. Refiro-me àquelas tendências relâmpago, que surgem rápido demais para serem entendidas e costumam ir embora da mesma forma. O mundo conectado, onde informações circulam em uma velocidade inédita, aliado a redes sociais que evidenciam com clareza as preferências de seus usuários, como o Pinterest, transformaram o mercado da moda nos últimos anos. Não basta o que está na loja perto da nossa casa, queremos o que vemos online. Se o produto que desejamos não estiver disponível em nosso país, podemos comprar dos EUA, da Europa, até da China. Nada que três meses de espera e sessenta por cento de imposto não resolva.

A ansiedade por adquirir “itens de desejo“e aderir as modinhas do momento anda tão grande, e o acesso aos produtos em questão tão fácil, que acabamos realizando péssimos investimentos e adquirindo peças que logo serão descartadas do cenário fashion. Em tempos de crise econômica e papos sérios sobre sustentabilidade, consumir com responsabilidade é dever das mulheres antenadas. Lembre-se que o que você precisa não é “estar na moda”, e sim TER ESTILO. Estilo é vestir aquilo que representa sua personalidade, que mostra ao mundo quem você é. Quem tem estilo carrega peças vintage ou ultra modernas com a mesma leveza, e transforma modismos em clássicos do seu guarda roupa.

Mas como identificar o que vale ou não a pena investir? Algumas dicas importantes:

* Observe se a peça em questão já foi moda em épocas passadas

Um exemplo aqui são as mules, que já foram febre cerca de quinze anos atrás e agora estão de volta nas prateleiras. Escolha uma cor e um modelo mais clássico, sem patches, bordados ou pelos.

* Pense no custo benefício

Se o preço do produto, dividido pelo número de vezes que você acredita que vai usá-lo em uma temporada for alto demais, desista. Para fazer valer o investimento em uma modinha, você precisa usar (e muito) a peça adquirida.

* Enxergue o contexto e não apenas o produto

Peças novinhas na prateleira da loja tendem a parecer mais atrativas do que depois de compradas e colocadas dentro do seu armário. Isso porque será necessário combiná-las com as outras roupas que você já tem, e utilizá-las em momentos reais do seu dia a dia.

O inverno 2017 traz uma miscelânea de tendências e novas peças-desejo que deixam qualquer mulher enlouquecida. Estamos no momento dos lançamentos: coquetéis e desfiles em lojas, anúncios que nos caem como uma luva no Instagram, previews disso e daquilo entrando em nosso e-mail todos os dias. É a hora ideal para analisar conscientemente o que comprar e o que deixar de lado. O que comprar depende do seu estilo, o que não comprar depende de informação de moda e de feeling. Vou compartilhar o meu com vocês.

  1. PATCHES

As marcas antenadas já inseriram patches em roupas, bolsas e sapatos no inverno passado. A tendência agora se massificou, e uma vez que isso ocorre, tende a cair em desgraça. Neste caso ainda mais – pelo forte apelo visual das peças – que são coloridas e chamam a atenção, tornando-as difíceis de serem encaixadas em looks neutros. Se ainda assim não resistir a tentação, escolha patches florais, de preferência bordados – estes sim são atemporais.

  1. POMPONS

Presença forte em bolsas e saídas de praia, sandálias e outros artigos de verão, o pompom agora invade as coleções de inverno aplicado em tênis e sapatos fechados e até roupas. Pode parecer fofinho, mas tem tudo pra virar aquele tipo de coisa que a gente olha no ano seguinte e pensa: como é que fui capaz de usar isso? Se forem removíveis, se jogue sem medo.

Brian Atwood Pom Pom Shoes, Outside Dior Couture SS2015

 

  1. SAPATOS DE VELUDO

O verão ainda está com tudo e os tênis e botinhas de veludo já estão lotando as prateleiras. Alguém se arrisca? O tecido é quente e peludinho e tem a cara do inverno, mas por ser brilhoso e ter visual marcante, não cai bem com qualquer tricot ou casaco. Uma peça de roupa elegante em veludo, como um blazer longo ou um macacão, são apostas muito mais duráveis que um sapato para quem não quer ficar de fora da tendência.

  1. BOTA BRANCA

Mesmo para quem curte (e sabe) vestir looks exóticos, botas brancas são arriscadas. Branco nos pés é mais comum em consultórios e hospitais, e causa certa estranheza ao público em geral. Por ser tão pouco usado nos pés, costuma se destacar demais na produção, tirando o charme das outras peças e chamando a atenção apenas para si. Opte por um tom mais off white, menos “estéril”, e selecione modelos duráveis como uma modelagem cowboy ou uma ankle boot de salto baixo.

  1. METALIZADOS

Sapatos e peças de roupa completamente metálicos tem um apelo visual forte, mas sua durabilidade costuma ser curta. Os materiais arranham, marcam e desbotam, perdendo cedo demais as características que nos levaram à comprá-los. Para os pés, prefira os detalhes, como aplicações de rebites e tachas, e também os tons intermediários, como ouro claro, rosé ou grafite para não cair na mesmice do ouro e prata. Já nas roupas, a saia plissada metalizada tem bastante personalidade e aparece com força nos looks de inverno. Cuidado apenas para não pagar caro demais, nada garante que ela ultrapassa este inverno (ou a primeira lavada na máquina).

Ser consumista não é pecado algum, mas pensar bem nos investimentos que fazemos em nosso guarda roupa demonstra inteligência financeira e bom senso em relação ao dinheiro. Mulheres modernas e conectadas sabem que gastar é fácil, mas ganhar… É BEM MAIS DIFÍCIL!

Beijinhos,

Caroll

 

Você pode gostar também