Saúde & Bem-estar

SAÚDE & BEM ESTAR | Peso ideal, como mantê-lo? Por Aline Furlan

17 de março de 2017

Chegou ao peso ideal? Então… Que ele permaneça com você de uma vez por todas!

Convido-o a visualizar uma situação que pode ter sido vivenciada por você em algum momento. Aproximava-se o período mais esperado do ano, as férias!  E estar o mais próximo possível da tão sonhada boa forma para chegar lá arrasando foi o objetivo maior à ser alcançado. Em nome dessa idealização você optou por dietas extravagantes e cometeu sacrifícios e sacrilégios alimentares e, ainda, se engajou em algum programa de atividade física para atingir esse objetivo com mais rapidez. E… Uhuuu!!! Conseguiu!!! Com muito orgulho de si pela conquista tão arduamente alcançada sentiu-se confiante e com a auto-estima em alta para desfrutar em grande estilo o seu merecido descanso.

 

Lá chegando desligou-se de preocupações e pressões, relaxou e se deliciou com as bebidas, comidinhas gostosas e guloseimas tentadoras, bem diferentes do padrão alimentar anterior. As férias terminaram e você voltou para sua rotina. Foi vestir aquela roupa mais formal e percebeu que ela estava no limite ou que não estava fechando botões e zíperes. Aí você se deu conta que recuperou pelo menos uns 3 quilos. E novamente decidiu: Vou entrar urgentemente numa dieta e perder esses quilinhos! E mais uma vez o ciclo recomeçou.

Esse é o momento mais desafiador de um programa de emagrecimento, a manutenção do peso. As dietas radicais definitivamente não colaboram para melhorar o que as estatísticas tem demonstrado, que de cada 5 pessoas que atingem o peso desejado, apenas 1 consegue mantê-lo. Uma consequência dessas dietas é o “efeito sanfona” e ele é extremamente prejudicial à saúde. Possuímos um sistema adaptativo que guarda energia em forma de gordura para garanti-la em momentos de privação. As dietas restritivas mexem justamente com esse sistema, pois limitam muito o consumo calórico ou privam o organismo de nutrientes fundamentais para manutenção de células e tecidos. Ao sair da dieta e voltar à maneira anterior de alimentar-se, a pessoa sente mais vontade de comer e passa a ser ainda mais difícil dizer não às tentações alimentares.

A auto-estima vai diminuindo na mesma proporção em que as medidas vão aumentando. A motivação de antes vai enfraquecendo e cedendo espaço à sentimentos de tristeza e frustração. Estes passam a invadir o sistema emocional e a pessoa acaba afogando suas mágoas justamente no que está alimentando sua sensação de fracasso, ou seja, a comida. E ela tem mesmo o dom de provocar sentimentos contraditórios, pois se de um lado alivia dores emocionais, por outro causa mais sentimentos de impotência e frustração frente à ela.

O que de fato é mais efetivo é a reeducação alimentar. Dessa forma as escolhas alimentares serão pautadas na construção de uma nova relação sua com a comida. Para a obtenção de uma adequada redução e eficiente manutenção do peso é essencial um planejamento alimentar que contemple as necessidades de macro e micronutrientes e também uma programação de atividades físicas que se adapte à sua condição física e rotina. Eventualmente algum pecadinho será cometido, seja no tipo de alimento ou quantidade, mas será algo momentâneo e não um comportamento alimentar habitual e isso trará uma segurança incrível para sua vida, pois quem está com as rédeas na mão agora é você e não a comida.

O que pensamos e sentimos tem um impacto significativo nas funções metabólicas e escolhas alimentares. Em contrapartida as sensações corporais colaboram sobremaneira para o bem ou mal estar emocional e psicológico. Então aprender a comer de forma saudável é essencial para cuidar desse templo maravilhoso que é o nosso corpo e que estará conosco por toda a vida. Perder peso com saúde é possível e caminho escolhido para atingir esse objetivo será fundamental para que ele permaneça com você de uma vez por todas!

 

Você pode gostar também