Eventos, Música

Lollapalooza 2017 por DuoCom

3 de abril de 2017

O Lollapalooza, um dos mais tradicionais festivais de músicas do mundo, aconteceu nos dias 25 e 26 de março de 2017 no Autódromo de Interlagos, em São Paulo. No post de hoje, trago meu relato e mais algumas dicas de como curtir o festival.

INGRESSOS
Como é de se esperar, o pessoal aqui da DuoCom é fissurado em festivais e o Lollapalooza é um mega acontecimento no nosso calendário. Tive a hiper mega ultra power felicidade de ser presenteada pela Caroll, nossa diretora, com um ingresso (e recebi a notícia antes mesmo de sair o line-up). A Caroll efetuou a compra no site e disse que foi muito fácil.

Dica: Se você se sente inseguro em adquirir o ingresso sem saber o que vai tocar, o Lollapalooza Chicago é o que dita as atrações das edições por todo o mundo. Então, dá para ter uma ideia bem real do que vai vir para o Brasil pelo Line-up de lá 😊.

O lado ruim de comprar antes é a ansiedade de esperar o ingresso chegar. A Caroll me presenteou com o voucher em setembro de 2016 e o ingresso chegou só em fevereiro de 2017! Este ano, o ingresso foi em formato de pulseira Cashless, tipo que já era utilizado por festivais lá de fora há muito tempo. Meu ingresso era do tipo “pass” e dava direito a entrada nos dois dias do festival. Como estou na universidade, tenho a grande vantagem do ingresso de estudante! Lá em São Paulo vale somente a lei nacional de 50% de desconto em eventos culturais, cinema, etc. É importante deixar bem claro que só vale a carteirinha nacional do estudante, então nem adianta levar a carteira da própria universidade.

Essa é a pulseirinha que dava entrada ao evento: Axe Lolla Cashless

Dica: Se você é estudante, pode solicitar sua carteirinha nesse link. Ela demora cerca de 15 dias para chegar no seu endereço e custa R$ 30,00 + frete. Se acabar deixando para a última hora, você pode fazer a sua no DCE da Universidade Feevale (campus 2). É o único lugar do Rio Grande do Sul em que você pode fazer ela presencialmente! Sem falar que fica pronta na hora e é para estudantes de todas as universidades! Custa R$ 35,00.

Fiquei pensando que seria mega difícil entrar no Lolla, que haveria aquela burocracia para a entrada de estudantes, etc. Eu estava super nervosa! No fim, fico até triste em dizer que não solicitaram o documento estudantil em nenhum dia. Soube por amigos que para algumas pessoas eles pedem, principalmente as que chegam mais cedo.

CHEGADA E TRANSPORTE

Quanto ao transporte, tenho uma frase bem nítida na minha mente: CAOS TOTAL. Nos dois dias fui e voltei de ônibus, visto que estava hospedada bem pertinho de um terminal. No primeiro dia demoramos 1:30 e no segundo cerca de 1 hora para chegar. Ônibus lotado e trânsito demorado. O único ponto positivo de ir de ônibus (e acredite em mim, vale todo o perrengue) é que ele te deixa praticamente na porta da entrada principal. Se você vai de metrô, tem que caminhar bastante até chegar ao autódromo.

Dica: São Paulo simplesmente para nos dias do festival. Se você vai de ônibus, vale lembrar que a prefeitura sinaliza todos os ônibus com placas vermelhas escritas LOLLAPALOOZA. Se você não faz ideia de qual ônibus pegar, entre em um com essas placas e fique tranquilo!

ESTRUTURA

Os principais palcos: Axe, Skol e Onix, respectivamente.

Se você é cosmopolita (e dramático) como eu, provavelmente vai chorar quando chegar ao festival. Palcos ENORMES e uma multidão como eu nunca havia visto na minha vida. Simplesmente emocionante. Em termos de estrutura, o Lollapalooza no Autódromo de Interlagos é sensacional. Os palcos são bem localizados, o som é ótimo e basicamente tem espaço para todas as 100.000 pessoas que passaram pelo festival no sábado, por exemplo. Os quatro palcos são bem distantes um do outro. Não dá para ter medo de caminhar! Pra você ter uma ideia, olha como foi minha contagem em cada dia:

Infelizmente, o conto de fadas acaba por aÍ. A Estrutura é boa, mas a organização é péssima. As filas dos bares eram gigantescas no primeiro dia. Só tinham ambulantes de Skol Beats (bebida que eu particularmente não gosto) então tive que esperar 15 minutos, no mínimo, para comprar um chope. As filas dos vendedores de comida eram menores, mas também exigiam uma espera (que quase me fizeram perder um show). O pagamento de tudo era feito por intermédio da pulseira, que poderia ser carregada com valores de no mínimo R$ 1,00 via cartão de crédito (online) ou débito, dinheiro e crédito (lá no evento). Era bem tranquilo para recarregar no evento, tinha uma fila bem pequena na parte de cartão crédito/débito. Nas banquinhas de recarga em dinheiro nem tinha fila.

E prepare-se: nada lá dentro é barato. A água é R$ 6,00 e você só pode levar as de copinho (somente 4 por pessoa), nada de garrafa. Chope (400 ml) e Skol Beats (269 ml) eram R$ 12,00 o copo. Para comer tinha várias opções, desde pipoca até lasanha. Os preços também foram muito variados.

A famosa água de R$6,00

SHOWS/LINE-UP

Ah, o Line-up… Motivo de brigas e apostas desde o dia em que o Lollapalooza divulga sua data. Eu e minhas amigas sempre fazemos um bolão, e como sempre, acertamos bastante coisa. Os shows que eu mais aguardava foram: Glass Animals, Tegan and Sara, Cage The Elephant, The XX e .

Lotação no show do Cage The Elephant

Assistir a maioria desses shows foram grandes realizações da minha adolescência. Na minha opinião, o melhor show do festival foi o da banda britânica The XX. Conheço eles desde que tenho 13 anos, então dá para imaginar minha felicidade em ver eles ao vivo. Inclusive chorei de emoção em diversas partes do show! Olha o vídeo a seguir, dá para ter uma ideia do quão lindo estava:

Aliás, fica aqui uma sugestão para você começar a escutar essa banda:

LOOKS

Jéssica, eu e Laura, todas de tênis confortável e roupas fresquinhas, casaco e óculos de sol

Vou ser bem sincera… Com semanas de antecedência planejei looks super elaborados e estilosos, até mandei fazer uma peça exclusivamente para o festival. Moral da história: não usei nenhum dos looks planejados. A verdade é que quando você chega no festival, vê que não tem muito sentido ir super arrumada. O festival é para pular, suar, se divertir. Vai ter lama, vai ter poeira e vai ter muita bolha no pé. Por isso minhas dicas são:

1- Vá um com tênis MUITO confortável (e de preferência bem usado)
Se tem amor aos seus sapatos, não use seu favorito nos dias do festival. Se for caminhar tanto quanto eu caminhei, o estilo não vai compensar as bolhas que você vai arrumar.
2- Leve uma canga
São quase 10 horas em pé. Ter uma canga para colocar no chão na hora de sentar é indispensável. No meu caso, levei uma bandeira de tecido impermeável. Serviu de canga, casaquinho quando vinha um vento e capa de chuva. Extremamente útil.
3- Pode parecer bobagem, mas leve um casaco
O Autódromo de interlagos é muito frio a noite, algumas pessoas (o que achei um pouco de exagero no início) estavam de cachecol. No final do segundo dia, não achei exagero nenhum inclusive, queria muito um.
4- Leve óculos de sol
Devido a posição de alguns palcos, as vezes o sol fica diretamente no seu rosto. Estar de óculos é extremamente essencial. Nos dois dias fui toda de preto e posso dizer que basicamente não passei calor. Pensei que ia derreter, mas São Paulo não é tão quente quanto eu esperava.

No fim, posso dizer que mesmo com todas essas dificuldades, dias 25 e 26 de março foram dois dos melhores dias da minha vida. Ver os artistas que você gosta e viver o festival não tem preço. Compensa cada minuto!

Beijos beijos!

Sofia Ferreira – Instagram: @Sofiasferreiras
Coordenadora de Arte / DuoCom

Você pode gostar também