Eventos

EVENTOS | Azeites Verde Louro – Ouro Líquido, Por Eunice Spindler

25 de abril de 2017

Imagine um ingrediente que, ao ser colocado em um prato, abre sabores que antes você não tinha percebido. Esse mesmo ingrediente, rico em polifenóis, promove uma série de benefícios à sua saúde, previne doenças cardiovasculares, mal de Alzheimer e até câncer. Falo do azeite de oliva extravirgem. O Brasil começa a se projetar como grande produtor no cenário internacional da olivicultura, particularmente na região Sul. Entre as marcas que estão se destacando está o azeite extravirgem Verde Louro. Sonho realizado pelo casal Léo e Mita Fuhrmann, o Verde Louro teve sua primeira safra em 2016. Foram 1.800 litros de um azeite extravirgem de excelente qualidade. Após um aumento significativo do pomar, localizado em Canguçu, a safra de 2017 foi de 12.500 litros e a qualidade só melhorou.

Em recente evento realizado no Magnólia Cine Gastro Bar em Canela, a marca Verde Louro fez o lançamento da safra de 2017 com a participação do azeitólogo e professor Marcelo Scofano. O especialista em azeites conduziu os convidados a uma experiência sensorial e harmonização com um cardápio ricamente elaborado pela chef Roberta Rech.

Os azeites de três cultivares distintos, Arbequina, Koroneiki e Arbosana, foram servidos respectivamente com a entrada de Brandade de Bacalhau sobre pupunha e brotos, Pernil de Cordeiro com purê de moranga e legumes assados e a sobremesa, Fudge de Chocolate intenso com flor de sal. Sim, é possível usar azeite de oliva na sobremesa. Orientados por Scofano, os comensais tinham que explorar os aromas e depois o gosto dos azeites. Surgiam expressões de notas com cheiro de grama cortada, banana, alcachofra e pétalas de flores. Na degustação do azeite puro, um gole para perceber o amargor, o frutado e o pungente, características que um autêntico extravirgem deve ter, segundo o COI. Seguindo a experiência, tinham que experimentar os pratos sem a adição do azeite e em seguida com ele, para perceber a surpreendente diferença. “O azeite se combina quimicamente e sinestesicamente com os alimentos, modificando tanto a si mesmo como a comida” (Erminio Monteleoni – cientista sensorial).

Os gregos são os maiores consumidores mundiais de azeite de oliva, cerca de 20 litros por pessoa ao ano. Os italianos estão em segundo lugar com um consumo de 13 litros. No Brasil, o consumo per capita não passa de 300 ml ao ano. É uma diferença significativa. Mas temos de considerar que no Brasil a cultura do consumo de azeite de oliva é muito recente. É um ingrediente considerado sagrado há milhares de anos em várias partes do mundo usado na alimentação, como loção para o corpo, combustível etc. O ouro líquido vem sendo desvendado como um super-alimento. O azeite de oliva extravirgem começa a ser consumido como forma de agregar tanto sabor quanto saúde na mesa dos brasileiros mas muito lentamente. Há um longo caminho pela frente. A falta de informação e os altos custos para a produção de umazeite extravirgem de qualidade são alguns dos obstáculos para que ele se estabeleça em nossa dieta contemporânea.

Avaliado e elogiado por degustadores na Europa, o azeite extravirgem Verde Louro está no caminho ideal para se tornar uma grande marca. Léo e Mita não têm apenas a concretização de um sonho em suas mãos. Eles têm a missão de introduzir a cultura do azeite de oliva extravirgem em nosso dia a dia. Nas primeiras safras eles optaram por produzir monovarietais com o objetivo de conhecer e explorar as notas sensoriais de cada cultivar. Esse ano, além dos Arbequina, Arbosana e Koroneiki, o casal está desenvolvendo um blend que enriquecerá ainda mais os atributos dos azeites Verde Louro. Como consumidora voraz de azeite extravirgem, desejo que cada vez mais as pessoas passem a fazer uso dele. Aprenda a conhecer os sabores, deguste, arrisque-se! Desenvolva o seu paladar e presenteie seu corpo com as qualidades únicas que um bom azeite de oliva extravirgem pode lhe proporcionar! Saúde!

Saiba mais sobre o Verde Louro em: http://verdelouroazeites.com.br

*Post carinhosamente escrito para o blog por Eunice Spindler.

 

 

Você pode gostar também