Eventos, Música

ESPECIAL ROCK IN RIO 2017 | SEGUNDO FINAL DE SEMANA

27 de setembro de 2017

O último post especial sobre o Rock In Rio 2017, foi elaborado pelas queridas Tati Noel que curtiu o festival na sexta-feira 22/09, e da Adri Araújo que foi ao evento no último dia, domingo 24/09.

SEXTA-FEIRA, 22/09 – POR TATI NOEL

O termo pode ser clichê, mas o Rio de Janeiro continua lindo.

Rio de Janeiro, fevereiro, março… e setembro, mês de Rock in Rio, maior festival de rock de rock do país, que nesta edição superou todos os números dos últimos anos. 700 mil pessoas transformaram o Parque Olímpico na capital do Rock e nem a guerra entre facções da Rocinha, que mobilizou forças policiais e até mesmo o exército, tirou o brilho dessa grande festa.

Escolhi a noite de sexta, 22/09 para realizar meu sonho e ver de pertinho meus ídolos. Data vênia, nem tão pertinho assim.

 

Créditos Tati Noel

TRANSPORTE

Preferi utilizar o transporte oficial do evento, que tem embarque e desembarque em vários pontos da cidade e acesso facilitado. Super seguro, tranquilo e organizado.

ESTRUTURA

A grandiosidade impressiona, sobretudo das filas. Mas é a impecável organização que salta aos olhos faz a gente até esquecer do tempo de espera. Do chopp ao sanduíche, do banheiro a loja oficial. Fila pra tudo. Para aqueles que já não são tão jovens, vale levar uma canga pra se esticar no gramado artificial entre um show e outro. Eu, no caso, cheguei ao ponto de tirar uma soneca entre Jota Quest e Alter Bridge e certamente não fui a única. A turma das cangas se jogava mesmo, no chão. Super normal. Justifica-se. Aguentar o ritmo de 8h, 10h, 12h ou até mais é puxado. No auge dos meus 29 anos, que há 10 anos venho resistindo em abandonar, digo com propriedade que o Rock in Rio é mais uma daquelas “fazer antes dos 30”. Um tanto quanto atrasada, mas lá estava eu, a postos na canga e nas filas, como uma jovem de 20 e tantos anos.

Créditos Tati Noel

Créditos Tati Noel

 

Como organizadora de eventos, aproveitei o RIR como benchmarking e só tive impressões positivas. Posso até estar sendo bondosa, já que por anos sonhei em fazer parte deste universo de som, luz e energia, mas a verdade é que para mim, foi realmente uma experiência incrível.

E se “experiência” é a palavra da hora, patrocinadores não deixaram por menos e investiram alto na montagem de cada espaço. Muita luz, muitos painéis de led e muita interatividade. A Coca criou um cenário que reproduzia um palco e permitiu que a galera sentisse o gostinho de ser Rock Star por alguns minutos. No stand do Itaú teve show surpresa da drag da hora Pablo Vittar e Raimundos. Quem teve disposição, enfrentou as filas pra agendamento da Roda Gigante, Elevador e Tirolesa. Não foi o meu caso. Medo de altura é limitador.

LINE UP / SHOWS

Créditos Site Oficial Rock In Rio 2017

Enquanto tudo isso acontecia ao mesmo tempo agora, o Palco Mundo fervia com Jota Quest, seguido por Alter Bridge e Tears for Fears, que embalou muita reunião dançante nas décadas de 80 e 90. Mas o momento mais esperado da noite era a chegada daquele sorriso largo no palco, que aos 50 e tantos anos parece ainda mais charmoso. Ele mesmo, o cara, Jon Bon Jovi. Há centenas de metros do palco vi um pontinho azul brilhando. Era ele. A voz é inconfundível, mas pelos telões tive certeza. Confesso que na terceira ou quarta música ainda estava esperando o show realmente começar. Mas que nada! Assim foi até a versão acústica de It’s my life. “Agora vai!” No way! A vibe era essa, do início ao fim, nem muito ao céu, nem ao inferno. Sereno e em alguns momentos até sonolento. Faltou adrenalina, grito da galera, energia de verdade. O bonitão até que se esforçou, mas não deu conta. Always nem se quer entrou no repertório, apesar do incessante pedido do público.

Créditos Tati Noel

Whatever! A experiência no Rock in Rio, em todo o contexto, compensou qualquer frustração e já prometi a mim mesma que em 2019 estarei lá novamente, de canga a tiracolo e cheia de disposição, pois cada instante valeu a pena!

#partiuRockinRio2019

Tati Noel

 

DOMINGO, 24/09 – POR ADRI ARAÚJO

Aguardei quase um ano por este dia, desde quando Red Hot Chili Peppers foi confirmado como atração. Chorei de felicidade e disse para o meu namorado: nós vamos!

INGRESSOS

Compramos os ingressos na venda do Rock In Rio Card que garante seu lugar em um dos dias do festival, à sua escolha. Quase não conseguimos comprar, mas no final deu tudo certo (compra efetuada pelas 2 da manhã).

Créditos Adri Araújo

 

Nos hospedamos em um apartamento bem na área central de Copacabana, ótimo para duas pessoas, próximo da praia, alugamos pelo Airbnb, valor maravilhoso, anfitriã muito bem avaliada e super atenciosa. Com certeza valeu a pena e iremos repetir a experiência.

TRANSPORTE

Optamos por ir ao Rock In Rio da maneira mais fácil: metrô + BRT. Fomos até a estação Siqueira Campos, onde compramos o cartão por R$ 20,00, valor necessário para metrô + BRT, ida e volta, ou seja, só 20 reais por pessoa para ir e voltar com segurança. Nossos amigos que foram conosco e já haviam ido em outras edições, elogiaram e falaram estar muito rápido e organizado, e realmente estava, levamos uma hora para ir e uma para voltar, fora a saída do Rock In Rio que foi demorada, mas nada que não esperávamos.

ESTRUTURA

Créditos Adri Araújo

 

Organização ótima, para a quantidade de pessoas não poderia ser melhor. Filas rápidas, banheiros limpos, quase todas a alimentação estava na faixa de R$ 20,00, um pouco caro para o que estavam servindo. Chopp somente Heineken, R$ 12,00, que era de fácil acesso com vendedores da marca que ficavam em pontos estratégicos da “cidade”.

 

Créditos Adri Araújo

Créditos Adri Araújo

LOOKS

Procurei ir o mais confortável possível, afinal era um festival de música, horas em pé e muitas coisas para olhar. Não estava muito quente e ao decorrer da noite bateu um friozinho, a camisa jeans foi a salvação. Tênis voltou branco, por incrível que pareça, a grama sintética ajuda muito. As pessoas estavam todas muito parecidas: tênis, camiseta, bermuda, camisa. A maioria com algo do Red Hot Chili Peppers, afinal, era a banda principal. Muitas meninas estilosas e bem maquiadas.

Créditos Adri Araújo

 

LINE UP / SHOWS

Créditos Site Oficial do Rock In Rio

 

Assistimos aos shows do Sepultura (com participação da Família Lima) foi fantástico, pessoal lotou o gramado para assistir; Offspring sensacional mostrando como uma banda dos anos 80/90 se apresenta em um festival, praticamente só clássicos; Thirty Seconds to Mars com um belo show, apesar de não conhecer muito; por fim: Red Hot Chili Peppers, show maravilhoso, lotou demais o gramado, tocaram os clássicos e algumas músicas novas, foi incrível. O som é ótimo, os telões ajudam a assistir aos shows e foram bem pontuais com os horários.

 

O encerramento foi maravilhoso com a queima de fogos, assim como a abertura do Palco Mundo. E ainda havia um show super simpático, no palco Sunset, com Sérgio Loroza, cantando praticamente Tim Maia, ficamos lá até diminuir um pouco a saída das pessoas.

 

 

 

Meu conselho: se tiveres a oportunidade de ir, vá, experiência única, só indo para realmente entender!

 

Créditos Adri Araújo

Adri Araújo

 

Você pode gostar também