Reflexão

REFLEXÃO | DIA DAS CRIANÇAS, POR NÁJUA SALEH

10 de outubro de 2017

Lembro bem da minha sensação ao chegar perto do Dia das Crianças. Desejar aquele brinquedo lançamento que rodava na propaganda da sessão da tarde. Brinquedos definiam gerações e causavam frisson na ala infantil. Você chegava na escola no dia seguinte do dia 12 e mostrava no recreio. Se você não tinha ganhado o lançamento, você certamente estraria na fila dos coleguinhas que queriam mexer no brinquedo daquela que tinha ganho.

Alguns brinquedos dos anos 90 – Pogobol, Gravador Karaokê, Super Nintendo e Lego. Fonte: https://goo.gl/WGMKF

Como é atualmente? Eu não sei! Aisha faz 1 ano 4 dias antes do dia das crianças e mal faço ideia do que anda alimentando o mercado infantil. Acho que vou poder descrever daqui uns quatro anos, mas indiferente dessa realidade virtual maluca em que vivemos hoje (com tendência forte a solidão), gostaria de presenteá-la com experiências. Não que eu não tenha tido uma infância saudável, pelo contrário… Ou que eu não vá dar brinquedos pra ela, mas acredito no poder de uma criança que viva sensações, que tenha diversas experiências e que juntos com os pais construam uma infância cheia de boas memórias.

Foto por @camila.raw

Voltando aos anos 80, 90…lembro de noites quentes de verão e de pedir esporadicamente aos meus pais que me levassem na sorveteria na rua de baixo. Tempos em que se caminhava sem medo de ser assaltado. Como eu não pedia sempre, toda vez que eu pedia eles me levavam. Eu descia a rua de mãos dadas, no meio dos dois e aquilo era tão legal.

Essas memórias são responsáveis por grande parte do teu desenvolvimento como ser humano e por isso acredito que experiências valem muito mais que bem material.

Foto por @camila.raw

Pode ser que eu morda a língua e no primeiro dia das crianças em que a Aisha tiver noção do que ela quer eu vá correndo comprar. Mas as experiências não podem faltar, até porque, querendo ou não, presenteados são os pais também. 🙂

Feliz dia das crianças!

Você pode gostar também