Eventos

ESPECIAL SHOWS INTERNACIONAIS | ESPETÁCULO DE SIR MCCARTNEY, POR PRI HERRMANN

18 de outubro de 2017

Paul McCartney, Sir Paul, o beatle mais queridinho do mundo, esteve em Porto Alegre na última sexta feira, dia 13/10, e foi (como o próprio falou durante o show) TRI BOM! Pela segunda vez (Paul esteve em POA em 2010) o britânico esteve no estádio Beira Rio, na capital gaúcha, e eu tive a honra de vê-lo, ouvi-lo e admirá-lo – de novo!

Conto para vocês agora um pouco da minha experiência, que foi um pouco diferente do comum.

Na foto: meu namorido, meu irmão, minha irmã e eu (aquela fotinho no escuro, na chuva e na empolgação, mas que vale ouro. Afinal, o show pode ser bom, mas se a cias são tão incríveis quanto foram as minhas, tudo fica ainda mais legal! <3 )

INGRESSOS:

Esse ano tentei algo diferente. Para explicar: em 2010 comprei o ingresso antecipado, no site do evento, meses antes do show (“aguenta” ansiedade). Essa vez, quando soube que teria o show (início do ano) eu já fui me informando de data, local, horário e o mais importante: valores. É bacana também sempre estar atento às datas de venda e pré-venda dos ingressos, pois é uma compra que requer paciência e rapidez. Dessa vez havia uma pré-venda para clientes dos cartões ELO, e mesmo sendo cliente, preferi deixar de lado.

Convidei meus irmãos, perguntei se seriam parceiros de comprar ingresso na hora. Isso mesmo que você leu, NA HORA!! Aí você se pergunta “Mas por que na hora sua maluca?”, e eu lhes respondo: são mil e um fatores, a disponibilidade no dia, o clima, a grana… Como os ingressos são vendidos quase que seis meses antes do show, não tem como saber como estarei naquele dia (sim, sou dessas! Hahaha). Mais uma coisa: ano retrasado fui ao show do Foo Fighters e tive a feliz experiência de pagar R$100,00 em um ingresso comprado na hora (ingresso esse que previamente era vendido por, no mínimo, R$240,00.).

Então foi isso: compramos o ingresso na hora. O preço saiu razoavelmente em conta (metade do que era vendido antecipadamente no site) e valeu a pena. Esse preço se explica: na hora que o show se inicia, quem ainda tem ingresso na mão para venda, fica desesperado e pensa “é agora ou nunca” e então muitas vezes vendem por preços simbólicos, ou a preço de custo, só pra não sair no prejuízo.

Fica a dica: Claro que essa é a minha experiência, pois se meu irmão fosse contar a dele, ele jamais compraria ingresso na hora de novo (palavras do mesmo, logo após a adrenalina de correr atrás de todos os cambistas do mundo faltando 10 minutos para o show). Cada um tem sua organização e planejamento, e como o meu é economizar, eu arrisquei!

CHEGADA E TRANSPORTE:

Justamente por decidirmos ir na hora do show, fomos as 20:00 para o Beira Rio (o início estava marcado para às 21:00 e ele, como bom britânico, começou pontualmente.).

Como moramos próximo ao Beira Rio, cerca de 3 km, fomos de cabify (éramos quatro: eu, meu irmão, minha irmã e meu namorido), o que nos custou R$10,00 e menos de 20 minutos. Ou seja, experiência MARAVILHOSA!

A questão mesmo foi na saída – porque aí todos saem juntos e na mesma hora – então levamos alguns minutos para sair do estádio e alguns muitos minutos para conseguir um cabify. Na verdade não havia muito trânsito, mas o mais difícil é marcar o ponto de encontro com o motorista, e ele chegar ao acesso. Esperamos por uns 10 minutos um motorista e ele cancelou, aí décimos ir vindo a pé, onde ainda havia movimento e não era perigoso. Até quando conseguimos parar um carro, fazendo sinal de carona mesmo (olha eu aí, cada vez mais comprovando que sou maluca!) que nos cobrou R$10,00 e nos deixou na esquina de casa.

ESTRUTURA:

Como só ficamos o tempo do show no estádio (por volta de 3 horas) não tenho muito que falar da infra e da organização, mas a principio tudo estava muito bom e com um funcionamento ótimo.

Chegamos na hora e havia uma fila, mas não muito grande, que estava andando, então em menos de 10 minutos conseguimos acessar o estádio.  Fui aos banheiros (tanto ecológicos quanto os do próprio estádio) e aos bares também e tudo funcionava muito bem, sem grandes filas. Mas na maior parte do tempo compramos a cerveja (que foi nossa bebida da noite!) dos vendedores ambulantes, por, ACREDITEM se quiserem,  incríveis R$15,00 a LATA. OMG!

No final do show minha irmã comeu uma fatia de pizza e ela custou outros incríveis R$18,00. Os produtos eram de qualidade (Pizza Óca de Savoia e cerveja Heinneken) e estavam gostosos, na temperatura ideal, de fácil e rápido acesso, e para mim, isso que vale. O valor é isso aí mesmo, para quem já está acostumado a ir a shows, nem se assusta mais. Se você não tem esse hábito, prepare o bolso para quando chegar sua vez, ou sugiro o famoso “esquenta” pré-show.

LOOKS:

Vocês acreditam que eu não tirei foto do look? Logo eu, a rainha do look do dia! Hahaha… Mas tirei uma selfie (porque também sou a rainha da selfie) e vou contar pra vocês como era o look e vocês imaginam, beleza? Hehe…

Fui com uma calça com detalhes em corino, para ser confortável e rock’n’roll ao mesmo tempo. Coloquei uma camiseta dos Beatles (toda colorida, lindinha!), uma bomber dourada com capuz (porque chovia e muito) e uma jaqueta de couro bordô em cima (afinal estava bem fresquinho e eu não quis arriscar). Cabelo preso, o óculos mais firme que eu tenho e nos pés uma botinha de borracha, com saltinho tratorado bem confortável. Normalmente eu usaria tênis, mas é que realmente o “lamaçal” seria inevitável e eu quis garantir que meus pés ficariam secos e eu não estragaria nenhum tênis meu. Como minha jaqueta tinha bolsos com zíper, nem levei bolsa, levei grana e documentos espalhados pelos bolsos e fui bem feliz assim!

Ah, fiz uma make bem básica, bb cream, rímel e um batom roxo, para dar um ar mais rocker e noite mesmo. Aí na fotinho da para ver um pouco da parte de cima do look!

Look e make

Minha irmã também foi de bota e casaco de capuz e bolsos de zíper e meu namorido e meu irmão foram de jeans, tênis, camiseta de banda e casaco para chuva.

O básico de um show de rock é: calça confortável (ou short, dependendo do horário e clima), t-shirt, tênis e: DONE. A coisa é simplicidade, praticidade e conforto, afinal muitas vezes você passa horas esperando na fila ou indo para o local do show. Se você for muito antes de começar, para garantir um bom lugar, e sabe que ficará algumas horas na fila ou esperando o show começar, eu sugiro que leve uma bolsinha com: água, uma barrinha de cereal (ou qualquer outro lanchinho) e papel higiênico. Faz toda diferença, eu juro!

No fim das contas foi uma experiência e tanto! O cara é incrível, toca por três horas sem parar, trocando de instrumento para instrumento, é carismático pra caramba, arrisca várias frases e palavras em português, sempre chama alguém ao palco e contagia todo mundo.

No show de 2010 ele tocou mais músicas dos Beatles, dessa vez, na turnê  “One on one”, ele toca mais músicas próprias e atuais, mas que mesmo assim não deixam de ser incríveis. Destaque especial pra banda dele, que é tão incrível e incansável quanto o próprio e ilustre Paul!

Difícil escolher um momento mais marcante do show, Hey Jude sempre emociona, ver a multidão cantando em grande coro “na na na nananana” chamando Paul de volta ao palco para Bis; o momento que ele lança um “Tri bom” se mostrando super interativo com os brasileiros e mais, com o povo gaúcho; Quando ele entra no palco com as bandeiras da Inglaterra, do Brasil e da diversidade (ai que lindo!!!), entre tantos outros. Mas confesso que para mim o momento que me arrepiou foi a canção Let it be iluminada pelo público, sem que ele pedisse, é mágico! Segue um vídeo para terem uma ideia!

Pri Herrmann

 

 

Visual merchandising. @pri_herrmann no instagram

Você pode gostar também