Viagem

ESPECIAL DESTINOS | CALIFÓRNIA DREAMS, POR LUÍSA CRIPPA

28 de novembro de 2017

Na Califórnia é diferente irmão, é muito mais que um sonho… Tenho que concordar com minha mãe, Lulu Santos estourou em 1982 com a música, “De repente, Califórnia”, que resume um pouco do que é estar, viajar e se aventurar por um dos estados mais importantes dos USA!

E é um sonho mesmo, que precisa ser vivido aos poucos, com intensidade, sem preconceitos e comparações com o lado Leste do país.

Viajamos entre três pessoas – eu,  minha mãe Lisiani e meu irmão Daniel, cabeças completamente diferentes, o que não é tarefa fácil pra ninguém principalmente com tantas opções e lugares nunca visitados antes. Mas tínhamos em mente algumas paradas obrigatórias!

E São Francisco, foi nossa porta de chegada à California.

A cidade de vários filmes e seriados conhecidos, dos famosos bondinhos, das subidas íngremes, Alcatraz, do famoso terremoto de 1906, deve ser apreciada com leveza e sem preconceito. As diferenças sociais, muito lembram nosso Brasil, onde muita riqueza e pobreza se misturam e convivem lado a lado, desfrutando e amando uma cidade única, de personalidade própria e muita beleza.

A política anti-Trump e permissiva, da um ar de liberdade para cidade e também acaba sendo ponto para muitos desajustados do país, lá encontramos pessoas de tudo que e tipo e muito “maluco beleza”. Cada bairro tem sua herança genética e cultural, como o Chinatown, o maior bairro chinês na America, a Little Italy na North Beach, que não tem praia, mas tem sorvetes  italianos coloridos, cantinas e pizzas típicas (ótimo lugar para comer!). Tem o bairro Japonês, o mexicano Castro – mais famoso bairro gay do mundo – e também o mais descolado de SF, com bares badalados, bandeirinhas de arco-íris, Delores Square, ativistas e livres peladões! Sim, você vai encontrar eles andando pelados, com um tapa-sexo bem pequeninho!

E claro, não posso deixar de falar dela!!! A Golden Gate Bridge, linda, imponente, vermelha e maravilhosa! Ela liga São Francisco a também a charmosa cidade vizinha, Sausalito, composta por casarões coloridos, cafeterias e bistrôs intimistas. Lá você encontra pequenas galerias de arte, muitos barcos e caminha tranquilamente pelo calçadão beira-mar, vale a pena conhecer!

Voltando a Golden Gate Bridge, ela pode ser atravessada caminhando, de bicicleta ou triciclo (que você pode alugar na região do Fisherman’s Wharf). Fomos de carro, pois queríamos continuar o passeio pela Crissy Field Beach (praia que também tem a vista para a Ponte), passar pela sinuosa Lombard Street (maior rua zigue e zague do mundo), e dar uma paradinha na Alamo Square (onde se encontra as fofíssimas Painted Ladies).

 

Caro, mas vale a pena cada centavo, o passeio ao Presidio de Alcatraz deve ser planejado pois o vento e o frio no fim do dia podem atrapalhar, por sorte escolhemos hora e dia perfeitos, e ainda aproveitamos o por do sol na ilha. Almoçamos no Pier 39, passeamos pelo Fisherman’s Wharf, Embarcadero, Ghirardelli Chocolateria, e chegamos no Pier 23 bem na hora, às 15:30 min para pegarmos o ferry boat pro Alcatraz.

Durante esses dias, ainda conseguimos conhecer, Alameda, uma ilhota onde minha mãe estava morando e onde ficamos hospedados, Oakland e Beckerly – a famosa cidade Universitária.

Carmel By-the-Sea, que lugar! Escolhemos esta cidade como parada para pouso e descansar da viagem, mas já sabíamos de sua beleza. E foi exatamente o que encontramos! Linda que só, com certeza quero voltar! Um ótimo lugar para desacelerar o ritmo, curtir e beber um bom vinho…

Para chegarmos a esse paraíso, a primeira dica, NÃO vá pelo GPS. Siga a linha do seu coração e marque as cidades uma a uma pela HighWay One (Pacific Coast Highway) e terás várias surpresas maravilhosas, Ocean Beach, Lakeshore, Montara, Gray Whale Cove Beach, Half Moon Bay, San Gregorio… pequenas prainhas ,com o pacifico aos seus pés, e no nosso caso com direito a  um por do sol magnifico, que benção!!! A dica do GPS é importante mesmo, pois ele te puxa para outro trajeto, longe do mar.

A cidade de Carmel é pequena mas cheia de lojinhas lindas, com aquelas coisinhas irresistíveis, impossível não comprar! Areia branquinha e fofa e gente super educada.

Hora de ir embora! No outro dia voltamos alguns km para não perder nenhum detalhe da Big Sur, uma estrada que vai costeando a beira do pacifico, lindo! Conhecida também como HighLands, elas não deixam a desejar, é um trajeto para se admirar de inicio ao fim! A dica é trocar o motorista, assim todos podem curtir um pouco.

É uma vista mais bonita que a outra, e então você pode ir parando o carro para tirar algumas fotos. Parada obrigatória na ponte em arco, Bixby Canyon Bridge.

Daqui continuamos a viagem em direção a Las Vegas!!

Mais de 8 horas de viagem, com direito a passar por plantações de morangos, maças e abóboras, passamos por grandes extensões de parreiras e também por terras com os maquinários trabalhando a todo vapor na exploração de petróleo (nunca tinha visto!).

Como podem ver a California não brinca em serviço, é pura riqueza nos mais diversos setores, beleza, turismo, terra, vibe…

Quase em Vegas a paisagem muda drasticamente, tendo ainda um bom chão pela frente, de puro deserto e cactos!

Dá para dizer que é um ótimo momento pra pensar na vida e refletir. Às vezes as reflexões são tantas que deixamos um pouquinho pra volta…

Enfim Las Vegas, Disney dos adultos… tem os que amam, aqueles que não suportam. Mas deve ser visitada SIM! A cidade é toda planejada como um grande playground pra gente grande! E brincar por lá pode custar caro rsrs. Hotéis luxuosos, piscinas, lagos artificiais, grandes jardins e coqueiros por toda parte, não tem como resistir! Qualquer lugar é cenário pra foto.

O que acontece em Vegas, não fica em Vegas, fica na alta temporada mesmo, se você quer ver tumulto, muita bebedeira e o que vê nos filmes, deixe para ir na alta temporada, ou fique para o final de semana! Acabamos não dando atenção para isso e confesso que achei a cidade bem mais tranquila do que imaginava. Menos opções de shows, menos festa e agitação. Ainda assim é ótimo para passear, comprar, e claro sair em bares legais para bons drinks!

Os cassinos são impressionantes, lindos, luxuosos, com lustres espetaculares e muita máquina, muita mesmo, a jogatina rola solta e não tem hora pra terminar!

Com certeza deixa qualquer um de boca aberta.

Próximo e último destino Los Angeles! A ida pra LA foi bem mais tranquila, 4:30 min de carro. Ahh, claro, quase me esqueci, mais uma dica maravilhosa é sempre buscar opções pelo Airbnb!

Em Carmel e Los Angeles optamos por este tipo de hospedagem e é só alegria!

Primeiro porque você acaba ficando em localizações muito mais bacanas e por preços mais em conta, segundo, procurando bem você encontra lugares encantadores! O dono do apartamento ou casa acaba deixando um pouco do seu estilo, logo, acaba sendo um mergulho muito maior na cultura e estilo da cidade também! Sem dizer nos mimos, frutinhas, bolachinhas entre outras surpresas que o Anfitrião sempre deixa para os hóspedes. Tu te sente em casa, e acaba que a hospedagem vira um item a mais pra curtir, quase não dá vontade de sair de lá! Bem diferente das experiências de hotéis, que mesmo os mais luxuosos te impressionam pela beleza, mas muitas vezes acaba sendo uma experiência mais “fria” e impessoal.

Em Los Angeles ficamos em Beverly Hills e é encantadora como nos filmes! Ruas organizadas e limpas, casas exageradamente charmosas com muito verde e coqueiros! Da vontade de ficar de bobeira andando pelo bairro! Bem pertinho da nossa casa havia uma região com restaurantes da Etiópia e depois de dar aquela checada no TripAdvisor nos interessamos em experimentar!

O restaurante bem diferente, mas uma atendente super mimosa que acredito que tenha vindo de lá. Antes de servirem o jantar eles vem até a mesa e trazem uma jarra e bacia de prata para você lavar as mãos já que a comida se come com a mão, bem diferente e temperada, mas uma delicia, adoramos! E o acompanhamento era um chá gelado de especiarias que você “adoçava” com um xarope, bem gostoso!

Em LA, um ótimo passeio é ir até o Farmers Market, um mercado público aberto, muito charmoso por sinal! Recheado de lojinhas e restaurantes pequenos, lá você encontra carnes, frutos do mar e todo tipo de vegetal, temperos e também bastante variedade de doces e tortas. Aqui é a hora certa pra dar uma quebrada na comilança americanizada, pois lá você encontra um ótimo restaurante brasileiro, com direito a pão de queijo – dos bons! (Pampas Grill).

Nesta região tem muitas lojas que vão de tendas baratinhas de óculos de sol e acessórios, até as grandes marcas como Chanel, Mac, etc. Fomos também na praia de Santa Mônica onde você encontra o famoso Pacific Park, aquele parque da Roda Gigante bem em frente ao mar… Uma pena que o clima tava meio foggy, acabando não sendo o ideal para pegar uma praia. Passamos pelo escritório da Netflix e depois rumo ao Observatório Griffith que é aberto ao público. Explicações sobre as estações do ano, fases da lua, marés, eclipses entre outros, tem bastante a se desbravar mas tava bem lotado.

A noite, do lado de fora tem uma vista linda, parte da entrada fica com as luzes desligadas para poder admirar o céu e as estrelas, e o brilho das luzes da cidade se realçam ainda mais! Lá de cima é outra opção para ver a Placa de Hollywood. Passamos pela calçada da fama, mas confesso que não achei muito legal. A região é cercada de shoppings, farmácias, grandes lojas e restaurantes, mas nada muito diferente do que você encontra em outras cidades dos Estados Unidos.

Los Angeles possui a primeira versão da Disney, tem opções de visitar o Universal Studios, Warner Bros, entre outros, mas são passeios com duração de muitas horas e acabamos optando por não ir! Com certeza tem muito mais a se desbravar, alguns passeios ficam para próxima… E assim acaba sendo bom, pois fica um gostinho de quero mais.

LA foi nossa última parada juntos, daqui meu irmão e minha mãe voltaram ao Brasil e eu fui rumo a San Diego, para encontrar minha amiga de infância Carol, que já está morando lá há 4 anos! Foi lá que eu peguei aquela praia e mergulhei pela primeira vez no mar da Califórnia

Mas aí já é assunto para uma próxima né?


Luísa, 24 anos

 

Ariana – Marketeira e atualmente residente de Novo Hamburgo. No momento é o que pode dizer com certeza, afinal está em busca e em construção de quem de fato é. Viajar é uma paixão antiga que espera que lhe acompanhe até o fim da vida.

Você pode gostar também