Saúde & Bem-estar

SAÚDE & BEM ESTAR |ALIMENTAÇÃO NO INVERNO, POR ALINE FURLAN

7 de junho de 2018

Nosso corpo está programado para viver em temperaturas amenas, mas a capacidade de adaptação dele à situações ambientais bem mais quentes ou frias é enorme. No entanto, existe um custo para que funcione adequadamente apesar das adversidades e para isso utiliza uma estratégia de economia e compensação para conservar sua estabilidade.

Ele conta com as mesmas ferramentas para adaptar-se às várias condições pelas quais está passando no momento, porém as utiliza de forma diversa em cada uma delas. Por exemplo, no período de baixas temperaturas nosso metabolismo aumenta para nos manter mais aquecidos, enquanto que nas altas temperaturas ele diminui para suavizar o impacto do calor. Esses processos geram efeitos diferentes pois, enquanto no verão transpiramos mais para resfriar nossa pele, no inverno, de forma inversa, suamos menos, já que o propósito é manter o calor corporal.      E se no inverno, por um lado ficamos mais “preguiçosos”, para economizar energia e preservá-la para funções vitais, por outro lado, procuramos alimentos mais energéticos para compensar e amenizar o frio que sentimos. No entanto, essas calorias extras podem momentaneamente suprir essa necessidade, mas é preciso estar atento para o fato de que a equação ganho/gasto energético não muda tanto assim em relação às temperaturas altas. Ou seja, se você ingerir mais calorias do que irá gastar num dia, o que sobrar será guardado em forma de gordura.

A maioria de nós aproveita o friozinho para comer tudo o que tem vontade com a desculpa perfeita de se aquecer porque, afinal, comer é mais do que uma necessidade fisiológica, é também uma forma de suprir nossas necessidades de aconchego e bem-estar emocional. Os alimentos mais leves como os vegetais, por exemplo, são facilmente substituídos por bebidas, caldos e cremes quentes, doces ou salgados, frequentemente com quantidades excessivas de gordura, sal, açúcar. E claro, com acompanhamentos (torradinhas, patês, coberturas). Mas lembre, a energia extra que precisamos para nos aquecer nas baixas temperaturas é bem menor do que ingerimos nesses alimentos. E para colaborar, as roupas que vestimos no inverno cobrem mais o corpo e vamos ganhando “quilinhos” a mais sem nos darmos conta.

Embora exista todo essa demanda para darmos conta, o processo acontece natural e espontaneamente. E como nessa trajetória chamada vida tudo tem sua contrapartida, é possível encontrar o caminho do equilíbrio para cada situação e, o que é incrível, com satisfação e plenitude. Então para passar pelo período de baixas temperaturas e chegar nas mais altas em forma e com saúde, segue algumas recomendações para suas preparações:

Sopas e Caldos: aproveite eles para utilizar ingredientes naturais e ingerir fibras, vitaminas e minerais contidos nas verduras, vegetais folhosos e legumes e ajudar a manter a estabilidade de seu sistema imunológico. Quanto as carnes, utilize as magras que oferecem proteínas com menos teor de gordura.

Cremes: não deixe de colocar neles os vegetais e utilize para deixá-los com aquela textura mais cremosa, o leite desnatado e os queijos brancos (cottage, ricota), por exemplo.

Bebidas: os chás são ótima opção, além de aquecer tem propriedades antioxidantes e digestivas. Os cafés especiais e chocolates quentes, prepare-os com leite desnatado e o cacau em pó que é mais nutritivo e contém componentes que equilibram os estados de humor. Se preferir mais docinhos, utilize o açúcar mascavo ou a estévia. Você também pode acrescentar o sabor exótico e as propriedades termogênicas de especiarias como a canela, o cravo-da-índia e o gengibre.

Vegetais: como naturalmente se diminui o consumo de saladas, compense preparando-os no vapor, refogados e grelhados. Utilize os temperos naturais como coentro, cominho, curry, páprica, gengibre que, além de terem um ótimo valor nutricional, acrescentam personalidade à sua receita.

 

Sobremesas: prefira aquelas à base de frutas (banana, abacaxi, maçã). Quando preparadas no forno ou na brasa com especiarias ficam uma delícia e ajudam no processo digestivo. As frutas secas (uva passa, damasco) também são uma ótima alternativa para a sobremesa.

Fondue: combina com o frio não é mesmo? Para saboreá-lo deixe-o mais “magrinho”, preparando os fondues salgados com cream-cheese ou mussarela light e os doces com chocolate 70% cacau. Para os petiscos salgados prefira os croutons de pães integrais e as carnes magras grelhadas numa frigideira que não precise óleo. Para os doces, escolha as frutas mais cítricas que contém maior quantidade de vitamina C.

Alimentos ricos em fibras: utilize os cereais integrais (arroz, macarrão, aveia) pois tem um maior valor nutricional e proporcionam mais saciedade. O mingau de aveia, por exemplo, além de gostoso e rico em fibras, se você ingerir moderadamente e utilizar ingredientes como: leite desnatado, aveia, frutas, sementes (chia, linhaça, quinoa), oleaginosas (castanha, nozes), é uma ótima alternativa para substituir uma refeição.

Evite alimentos processados: principalmente sopas, molhos, cubos de caldos de carne ou frango, temperos prontos, pois são ricos em sal e aditivos químicos que interferem no processo metabólico de suas células, pois elas não estão preparadas para reconhecer esses componentes.

Hidratação: nas temperaturas baixas a sua necessidade de hidratação é a mesma do que nas temperaturas altas, porém você identifica menos essa necessidade. Portanto não descuide e tome, pelo menos, 2 litros de água diariamente.

Atividade Física: mesmo que sinta aquela preguicinha, pratique uma atividade física que goste regularmente e mantenha ativo seu sistema cardiovascular, melhore sua temperatura corporal, disposição e nível de energia.

Aproveite as baixas temperaturas sem descuidar de sua saúde. Não utilize o frio como desculpa para acomodar-se e descomprometer-se com os cuidados com sua alimentação. Mantenha uma rotina que contemple atividade física e coloque seu corpo em movimento e assim, você poderá ser um pouco mais flexível nas suas escolhas alimentares, desde que o faça com moderação e sabedoria.

www.alinefurlan.com.br

 

 

Você pode gostar também