Saúde & Bem-estar

SAÚDE E BEM ESTAR |PORQUE INCLUIR OS PEIXES NA SUA ALIMENTAÇÃO? POR ALINE FURLAN

7 de agosto de 2018

Vivemos num país com uma faixa litorânea de mais de 8 mil quilômetros e uma extensão enorme de rios, lagos e lagoas. No entanto o consumo anual de peixe é muito menor que o de carne vermelha e de aves, sendo estas a principal fonte de proteína na alimentação da maioria dos brasileiros, principalmente nós gaúchos.

O peixe é um dos alimentos mais saudáveis que existem, pois possui nutrientes indispensáveis à saúde como proteínas de ótimo valor nutricional, vitamina D e boas quantidades de outros nutrientes como: vitaminas A e do complexo B, minerais (cálcio, fósforo, ferro, cobre, selênio) e iodo nos peixes de água salgada.

As proteínas estão presentes em todos os peixes como: tilápia, dourado, linguado, tainha, corvina, carpa, merluza, traíra, pescada, mas alguns tipos de peixes contêm maior quantidade de um ou de outro nutriente como os de água mais fria (salmão, arenque, truta, sardinha, atum), por exemplo, que possuem maior quantidade de ômega 3. Esse ácido graxo não é produzido pelo organismo, então sua absorção se dá através dos alimentos, sendo os peixes sua maior fonte.

Veja alguns benefícios nutricionais em incluir peixe ao seu planejamento alimentar:

– Proteínas de Alto Valor Biológico: são encontradas em todos os peixes e estão intimamente implicadas na manutenção, construção e renovação de células e tecidos corporais.

– Gorduras Boas: possui menos gorduras saturadas que carnes bovinas e suínas. Os peixes de carne clara (tainha, robalo, corvina, carpa, badejo, bacalhau, garoupa, linguado, pescada) apesentam menor quantidade de gorduras que os de carne escura (salmão, atum, anchova, arenque, sardinha). Entretanto é preciso ressaltar que a gordura contida nestes peixes são prevalentemente gorduras poli-insaturadas (grande quantidade de ômega 3) que estão contidas no grupo das gorduras insaturadas e que são benéficas para sua saúde. Além disso, os peixes costumam ter bem menos calorias do que outros alimentos de origem animal.

– Ômega 3: além de ser um anti-inflamatório natural, consumir peixes ricos nesse ácido graxo colabora para o bom funcionamento cardiovascular, uma vez que melhora a relação colesterol bom/colesterol ruim. Auxilia na prevenção à deterioração de células nervosas, suavizando o envelhecimento do tecido cerebral, seja pelo processo natural ou em consequência de doenças neurodegenerativas e contribui para o bom desenvolvimento do cérebro e olhos de bebês em formação.

– Vitamina D: encontrada em maior ou menor quantidade em todos os peixes, essa vitamina ajuda na absorção e fixação do cálcio, promovendo a manutenção e saúde dos ossos, além de contribuir significativamente para o funcionamento eficiente dos sistemas imunológico, cardiovascular e muscular.

– Versatilidade: quando frescos cozinham em pouco tempo, podendo ser utilizados de diversas formas como: assados, cozidos, grelhados ou até mesmo crus, desde que sejam provenientes de

um fornecedor de sua confiança que mantenha em seu estabelecimento boas condições de higiene e conservação dos peixes.

 

Muitas pessoas alegam que não consomem peixe com mais regularidade pela dificuldade de encontrá-los frescos, por custo mais elevado ou, até mesmo, por acharem mais difícil sua preparação. No entanto, é possível encontrar peixes com valores semelhantes ou até mais em conta que as carnes vermelhas como: tilápia, merluza, tainha. A sardinha, por exemplo, possui minerais e vitaminas essenciais para o corpo. Quanto ao preparo das carnes de peixe, uma forma simples e prática de prepará-los é dispor os filés numa assadeira, temperar com sal, temperos frescos (tomilho, coentro), pimenta moída na hora e levar ao forno. Para aproveitar todo seu potencial, prefira os assados, cozidos no vapor ou grelhados. De outra forma, evite fritá-los, pois além de perder conteúdo nutricional, a alta temperatura do óleo produz compostos nocivos à sua saúde.

Sendo assim, comer peixe, pelo menos 1 ou 2 vezes na semana, é uma forma de manter seu organismo mais saudável. Mesmo as pessoas que moram mais longe do litoral, rios ou lagoas poderão beneficiar-se de seus atributos nutricionais, desde que tenham alguns cuidados com seu estado de conservação, uma vez que irão consumir peixe a mais tempo retirado da água.

 

Algumas recomendações importantes ao escolher o peixe para você e sua família são:

 

-Olhos: devem estar brilhantes e salientes.

-Escamas: unidas entre si, brilhantes e fortemente aderidas à pele.

-Guelras: devem ter cor que vai do rosa ao vermelho intenso, serem brilhantes e sem viscosidade.

-Pele: ser firme, úmida e sem manchas.

-Odor: característico e não repugnante.

Todos os peixes oferecem benefícios à você, principalmente os que estejam o mais próximo possível de seu estado natural, uma vez que suas propriedades nutricionais estão mais preservadas. Dito isto, inclua peixe na sua rotina alimentar, pois além dos nutrientes que oferecem, sua digestão é mais leve, colaborando para que você sinta-se saciado após uma refeição, mas sem a sensação de estar com seu sistema digestivo sobrecarregado.

 

www.alinefurlan.com.br

 

Você pode gostar também